Islamismo – O que é, Resumo, Características e 5 pilares

0
276

No mundo existem diversas religiões, como o Islamismo, cada uma com uma crença diferente. Nem todas as religiões são cristãs, nem todas acreditam em deus, mas todas possuem um conjunto de características que as definem.

Embora existam tantas práticas religiosas, uma das mais comentadas e procuradas atualmente é o Islamismo, por estar comumente ligada ao terrorismo no oriente médio.

Resumo do Islamismo

Islamismo

O que é o Islamismo?

O islamismo ou Islã é uma religião monoteísta de origem árabe, que teve seu início por volta do século XII. Na tradição da religião islâmica, Maomé recebeu revelações de deus, através do arcanjo Gabriel, e começou a espalhar essas revelações. Maomé ficou conhecido como o último profeta.

Diferente da crença cristã, que considera Jesus Cristo um homem divino, o islamismo vê Maomé apenas como um ser humano. Contudo, o mais perfeito ser humano que poderia ter existido.

A palavra Islã tem origem na transliteração da palavra árabe إسلام, que no alfabeto latino aparece como Islām. Essa palavra deriva do verbo aslama, que significa submeter. Islamismo, portanto, é a “submissão a deus”.

Maomé – Muhammad

Antes de se dedicar à vida religiosa, Maomé, ou Muhammad em árabe, cujo nome completo conta com 12 sobrenomes, era um político e mercador árabe. Ele nasceu na Meca, em abril do ano 570, e morreu em Medina, em junho de 632.

Maomé era considerado um homem religioso, que dedicava alguns momentos, entre suas viagens como mercador, para meditar e orar em regiões isoladas e cavernas da Meca. Quando tinha 40 anos, em 610, em um desses retiros de jejum e meditação, Maomé teria recebido a visita do arcanjo Gabriel, que levava versos enviados por deus e que deveriam ser recitados para todas as pessoas.

A Revelação

Islamismo - 5 pilares

Maomé teria recebido a revelação de ser o último profeta de deus enviado à terra, para restaurar os ensinamentos originais que haviam sido corrompidos ou esquecidos no judaísmo ou no cristianismo.

Após receber essas revelações, Maomé começou a contar os versos de deus aos familiares e amigos, que foram os primeiros a o apoiarem. Com o decorrer do tempo, Maomé começou a acumular seguidores e também inimigos, se tornando uma ameaça para as tribos locais, incluindo a própria tribo a qual ele pertencia.

Suas mensagens sobre um deus único eram muito aceitas, porém, seus conceitos sobre um possível Dia do Juízo Final eram muito questionados, e se tornavam motivos de chacotas. Parte da população da Meca desafiou Maomé a realizar um milagre, e provar suas declarações. Os mequenses tentaram, inclusive, forçar Maomé a abandonar suas declarações e deixar sua missão religiosa em troca de poder político, mulheres ou maior participação no comércio, mas ele rejeitou.

Inclusive, Maomé e seus seguidores foram perseguidos. Ele foi acusado de estar possuído por um espírito maligno, e foi forçado fugir de Meca e se refugiar na região conhecida como Medina. Em Medina, Maomé é muito prestigiado, e passa a ser consultado sobre ataques a caravanas que passavam por lá.

A Confirmação

Em um desses ataques, no qual o próprio Maomé participou, uma caravana de 800 mequenses foi atacada por 300 guerreiros de Medina. Apesar da menor quantidade, e de estarem mal equipados, os guerreiros de Medina tiveram sucesso. Para os seguidores de Maomé, essa vitória foi encarada como uma confirmação de suas alegações.

Após unir toda a Medina sobre os seus ensinamentos, Maomé traçou um plano para conquistar Meca. Ele marchou em direção à sua antiga cidade com 10 mil guerreiros, mas nenhuma batalha foi travada. Os líderes de Meca se submeteram a Maomé sem resistências. Mesmo sem ele determinar, a população mequense se converteu aos seus ensinamentos.

Após vencer em outras batalhas, Maomé foi considerado um homem muito poderoso, que conseguiu unificar as arábias em torno de seus ensinamentos. Ele morreu em junho de 632, um ano depois de dar sua ultima declaração aos seguidores. Essa declaração gerou uma crise, que dividiria o Islã em dois ramos: os sunitas e xiitas.

O Alcorão

O Alcolrão do Islamismo

À medida que Maomé recebia as revelações, ele solicitava a jovens letrados que as escrevesse. Tal solicitação visava que as mensagens pudessem ser facilmente lembradas e propagadas. A escrita dessas revelações foi organizada na forma de um livro, o alcorão.

Essa palavra é, novamente, a transliteração de uma palavra árabe que significa “recitação.  Pois Maomé, recebia as revelações em forma de versos, que foram transcritos nessa mesma estrutura. O livro está organizado em 114 capítulos, que são divididos em livros, seções, partes e versículos.

O conteúdo do Alcorão está relacionado com as origens do universo a relação dos homens com deus. Além disso, são definidas as leis de convivência, de economia, de moralidade, entre muitos outros assuntos. Na religião Islã, o Alcorão é a própria palavra de deus, revelada a Maomé. Portanto, deve ser seguido fielmente.

Características do Islamismo – Os 5 pilares

A fé Islã está pautada em cinco pilares, que são regras fundamentais para os seguidores dessa religião:

  1. A crença em um deus único, eterno e soberano, revelado por Maomé. A palavra árabe para designar deus é Alá;
  2. A realização de cinco orações por dia, todos os dias;
  3. Pagar esmolas, que são definidas por uma certa porcentagem;
  4. Realizar o jejum durante o Ramadã, nono mês do calendário islãmico;
  5. Perenigrar pelo menos uma vez, durante a vida, em direção à Meca, onde Maomé recebeu as primeiras revelações e iniciou sua pregação.

Os devotos dessa religião são chamados de muçulmanos, que vem da palavra muslim e significa “aquele que se submete”.

Gostou do nosso conteúdo sobre História? Que tal dar uma olhada também no nosso  resumo sobre a segunda guerra mundial.