Resumo de Lucíola – Personagens do livro e filme

0
357

Resumo do livro Lucíola - Personagens

Lucíola é um romance urbano de José de Alencar, publicado em 1862, que se passa no ano de 1855. O tema central é a exaltação do amor, o sentimentalismo melancólico, e a rejeição do relacionamento entre um homem de boa família e uma cortesã de luxo para os padrões conservadores da época.

Paulo é o personagem narrador, que escreve cartas à Sra. G. M. sobre os momentos que passou ao lado da cortesã mais desejada do Rio de Janeiro, Lúcia ou Lucíola.
G.M é uma autora fictícia que reúne as cartas de Paulo para publicar em 1861

Resumo de Lucíola

No primeiro dia no Rio de Janeiro, Paulo se encanta com a beleza de uma jovem que viu num impedimento de trânsito, dentro de um tílburi. No momento em que o cavalo se apressa para passar, a jovem deixa seu leque cair, e num movimento generoso, Paulo pega e o entrega à dona.

Ao entregar o leque, o jovem pernambucano, pobre, de 25 anos aperta as pontas dos dedos da moça, que responde o gesto com um sorriso e uma vergonha que a fez corar. Mas era um sorriso diferente, melancólico, que não transparecia felicidade. Suas feições permaneceram na memória de Paulo.

Alguns dias depois, quando Paulo sai à passeio com o amigo de infância Sá, burguês milionário que já vivia na corte por oito anos. No passeio na Festa da Glória, os dois encontram Lúcia, e Paulo sente que já conhecia aquela senhora, mas não podia se recordar de onde. Perguntou a Sá, que lhe respondeu que não era nenhuma senhora, mas sim uma mulher bonita.

Sá abordou Lúcia ou Lucíola e se ofereceu para acompanhá-la na volta, mas Lúcia declinou do pedido. A mulher rosto branco e gesto gracioso contrastavam com o modo franco e imprudente com que conversava com o amigo Sá. Ela se despediu rapidamente e adentrou na multidão que acompanhava a festa da Glória. Mais tarde, Paulo se recorda que a cortesã linda e ricamente vestida era a mesma jovem que havia visto na chegada ao Rio de Janeiro.

Depois de aproveitar um pouco a vida na corte, com reuniões, teatros, apresentações e passeios, Paulo, que havia encontrado Lúcia ou Lucíola outras vezes depois da festa da Glória, sem lhe dirigir a palavra, decide ir vê-la. Lúcia o recebe com muita cortesia e amabilidade.

Apesar de já ser advertido por Sá das preferências de Lúcia, Paulo se vê diante de uma mulher ingênua, doce, calma, quase melancólica. Não podia acreditar que estava diante da cortesã mais desejada do Rio de Janeiro, que trocava de amantes de uma noite para o dia, e que para lhe fazer a corte, como dizia Sá, era o tempo de abrir a carteira.

O começo do relacionamento de Paulo e Lucíola

Começo do relacionamento de Lucíola

Paulo volta outras vezes à casa de Lúcia, e em uma delas, ela está vestida exatamente como ele a viu pela primeira vez. Ela se frustra por ele não se lembrar do vestido e das luvas, e fica triste por pensar que ele não a olharia da mesma maneira, pois agora sabia de sua condição.

Ele se recorda, e então percebe que a mulher delicada e doce se transformara em uma figura ardente, brilhante… “Era uma transfiguração completa.”
Depois de se entregaram ao ato de amor, Paulo fica constrangido com o olhar de Lúcia, quando ela o observa levar a mão à carteira.

Depois desse dia, Paulo passa a admirar Lúcia cada vez mais. Porém, entre tantos passeios que realizava na corte, encontrou Cunha no teatro, ex amante de Lúcia, que se abriu com Paulo sobre o tempo que passou com ela. Disse que Lúcia é uma mulher volúvel, que se enamorava de um homem, e quando se cansava, logo partia para outro, sem ao menos dar explicações, e com tamanha frieza e indiferença que envergonharia qualquer homem que ficasse aos seus pés.

Após o teatro, todos os homens ricos da corte foram chamados para uma ceia na casa de Sá. O combinado seria de comer e beber, e depois de algumas horas da madrugada, quando ninguém mais pudesse ser incomodado, se fizesse qualquer tipo de brincadeiras sexuais com as cortesãs convidadas para enfeitar o banquete. Uma dessas cortesãs era Lúcia.

Paulo, que também havia sido convidado para ceia, e já estava mantendo relações frequentes com Lúcia, a procurou, e ela respondeu que aquela noite, ela não a pertencia. Após a ceia, Sá levou todos a uma sala com pinturas sobre a ilha de Lesbos, onde na mitologia, seria o lugar onde se iniciou as relações homossexuais entre mulheres. Na sala, Lúcia foi convidada a imitar as poses sexuais dos quadros, o que desagradou profundamente Paulo.

Depois do episódio, Paulo encontrou Lúcia nos jardins e a fez prometer que jamais faria aquilo novamente. Aquela nudez, para ele, havia sido uma profanação da beleza humana, pensamento esse que foi compartilhado por Lúcia, que atendeu ao seu pedido. Os dois dormiram juntos na mata do jardim e foram embora antes que os outros acordassem.

Nessa altura, Paulo e Lúcia já estavam muito envolvidos. Sá, observando esse envolvimento, alertou Paulo que Lúcia é o tipo de mulher para ser apreciada “de copo na mão e charuto na boca, depois de ter no estômago dois litros de champanha pelo menos. Fora disso é excêntrica, estonteada e insuportável. Ninguém a compreende”, além disso, era uma mulher avarenta, que vendia as jóias que ganhava para guardar dinheiro.

Paulo responde o amigo em defesa de Lúcia, e diz que ela é uma velha no corpo de uma jovem, que já está gasta pelos prazeres, e quando faz atos de depravação, em busca de um prazer que já não pode ter, se esquece do que é por um momento. Mas depois ela reage, fica enojada das coisas que fez e a irritabilidade toma conta do seu humor.

O término do relacionamento de Paulo e Lucíola

Resumo de Lucíola término do relacionamento

Lúcia já não sai de casa, não vai às lojas comprar roupas de ultima moda, como costumava fazer, e não desfila suas jóias para invejar as outras cortesãs. Paulo só sai da casa dela dois dias na semana. Num desses dias, encontra Sá, e fica sabendo que está sendo falado pela cidade. Ele é pobre, e Lúcia já não esbanja como antes, e a figura que fazem é que ela está sustentando Paulo com as vendas dos vestidos e jóias.

Paulo, enfurecido, desconta em Lúcia, e em uma briga, ela diz que se ele preferia assim, então ela voltaria à vida de cortesã, pois não era digna de qualquer homem honesto como Paulo. No dia seguinte, Paulo vê Lúcia em uma loja, rodeada por homens. Um deles, o Sr. Couto, velho que Lúcia repugnava, vai ao dono da loja, e logo Paulo percebe que ele seria o homem a quem Lúcia deveria pagar com o corpo, por ele ter pago os objetos levados por Lúcia.

Lúcia e Paulo rompem o relacionamento. Mas depois de um baile que Lúcia foi com o Sr. Couto, e que Paulo descobriu que ela sequer havia dormido com o velho, pois havia passado a noite procurando por ele, eles reatam. Passado algum tempo, Paulo surpreende Lúcia lendo o livro “A Dama das Camélias”.

Ela, enfurecida, diz que aquela história é uma mentira, pois nenhuma mulher que vendia o corpo poderia amar daquela forma. Como a mulher poderia diferenciar os carinhos do amado, daqueles recebido em troca de moedas? Paulo concordou, dizendo que ele e Lúcia não eram os personagens daquele livro. Lúcia soltou uma gargalhada, e rasgou as folhas do livro sem terminar de lê-lo.

Embora o romance de Paulo e Lúcia tivesse sido reatado, jamais voltou a ser como antes. Lúcia havia visto em Paulo uma esperança para sair da vida envergonhada que levava, mas seu jeito impulsivo e desafiador, o afastou. As visitas de Paulo começaram a se tornar menos frequentes, até que se tornassem raras. Lúcia, ainda com esperanças, mas com temor de manchar a imagem de Paulo, não o procura.

Até que um dia, Paulo recebe a visita de Lúcia, que com um ar abatido, diz que já não suporta a ausência, e diz que está pronta para tudo, o que for necessário para ter Paulo ao lado dela novamente. Ele aceitou e pediu que ela ficasse o dia com ele, mas ela, impondo como condição, disse que só poderia no dia seguinte. Paulo viu percebeu seu jeito faceiro, e concordou.

O fim de Lucíola

Resumo de Lucíola - O fim do resumo

Lúcia já abandonava a vida mundana. Paulo percebe que ela adoece e já não aceita os carinhos de amor que ele oferece. Um dia, ele a visita em sua casa, e percebe a cama que ela costumava receber os amantes, desarrumada. Ele encontra Jacinto, um homem com quem Lúcia costumava fazer negócios, segurando a carteira, e Lúcia conversando com ele. Paulo se desagrada e vai embora. Mais tarde, descobre que Lúcia estava negociando a casa, pois iria embora daquele lugar.

Paulo a procurou para lhe pedir desculpas, e então, Lúcia contou sua triste história. Seu nome verdadeiro era Maria da Glória. Com 14 anos, se viu aliciada por Couto, o velho repugnante, que lhe ofereceu moedas para cuidar da família, que havia contraído febre amarela.

Em troca das moedas, se desfez da honra e da virtude, para salvar a vida daqueles que ela realmente amava. Mas foi expulsa de casa quando contou ao pai, já recuperado, como conseguiu as moedas para o enterro dos irmãos. A única que se despediu foi sua irmã Ana.

Lúcia já não era Lúcia. Pediu a Paulo que a chamasse de Maria. Ele cuidou de instalar Maria, e a irmã, que havia saído do colégio, no seu modesto retiro, e lhe fazia visitas frequentemente. Maria estava adoentada, mas feliz, por ter pelo menos esses momentos de serenidade.
Como último golpe do destino, Maria descobriu uma gravidez, e mesmo com a afirmação do médico de que o bebê estava bem, ela acreditava que o filho havia morrido. Ela tinha certeza que morreria junto com o filho, e suplicou a Paulo, como último pedido no leito de morte, que ele se casasse com a irmã dela, Anna. Paulo não poderia, pois seu amor não poderia ser dado a outra pessoa, senão à mulher que estava pálida, na sua frente.

Ele prometeu que cuidaria de Ana até que ela se casasse, e Maria ficou confortada. No cair da noite, Maria, com seu sorriso pálido que se desfez nos lábios, murmurou suas últimas palavras:

– Recebe-me… Paulo!

Personagens de Lucíola

Paulo: Jovem pobre, de 25 anos, natural de Pernambuco é o principal da história. Recém-chegado ao Rio de Janeiro acaba se envolvendo com Lucíola.

Lucíola: Moça de apenas 19 anos, é uma das cortesãs mais procuradas pelos homens cariocas. É bela e fina. Apesar de ser de origem humilde, graças ao seu trabalho como cortesão acaba se tornando uma das mais ricas do Rio de Janeiro.

: É um dos amigos de Paulo. Ele é o responsável por apresentar Lucíola ao amigo.

Cunha: Teve um affair com Lucíola. Porém, após ver sua esposa triste acabou terminando o caso.

Sr. Couto: Foi o responsável por iniciar Lucíola na vída de cortesã quando ela tinha apenas 14 anos.

Ana: Irmã de Lucíola

Curta Metragem de Lucíola

Curtiu? Então aproveita para assistir esse curta metragem de Lucíola. Vai te ajudar a lembrar melhor a história toda.

COMPARTILHE

comentários

SEM COMENTÁRIOS