Resumo de Max Weber – Obras e Frases

0
441

Resumo de Max Weber: Biografia, frases e obras

Resumo da biografia de  Max Weber

Jurista e economista alemão, vindo de uma família de comerciantes de linho, Karl Emil Maximilian Weber, ou simplesmente Max Weber, nasceu em 221 de abril de 1864 na Turíngia, e é considerado o pai da sociologia moderna. Weber se dedicou aos estudos desde muito cedo, e era considerado um garoto muito inteligente para a sua idade. Mudou-se para Berlim com a família em 1869, onde iniciou os estudos e a brilhante carreira.

Aos 13 anos, Weber já escrevia ensaios sobre as observações que realizava na escola. Como era um garoto franzino, em decorrência de uma meningite que teve aos 4 anos, ele não tinha gosto pelos esportes, como a maioria da sua idade. Preferiu se dedicar intensamente aos estudos e à leitura de suas notas de aula.

Aos 17 anos, Weber era considerado um rapaz excepcional, mas seus professores questionavam sua maturidade. Parecia desinteressado pela rotina e pelas regras, sempre fazendo críticas da monotonia escolar ou da intelectualidade desprezível dos professores. Não se submetia às imposições do pai ou dos professores, e por isso, preferia se recolher ao seu próprio mundo.

Não precisava se esforçar muito para ser aprovado nos exames. Em 1882, após encerrar os estudos pré universitários, Weber, seguindo os passos do pai, se matriculou no curso de direito. Como era dotado de tamanha intelectualidade, ele também estudava disciplinas de história, culturas, economia e filosofia. Também participou de várias discussões teológicas e filosóficas.

Durante o curso de direito, embora Weber não gostasse de atividades físicas, participava de duelos, inclusive fazendo apostas. Aos 19 anos, prestou um ano de serviço militar, e fez duras críticas a esse tipo de treinamento, dizendo ser um desperdício de tempo a domesticação dos homens pensantes para transformá-los em máquinas de atender ordens de forma automática.

Casou-se aos 29 anos com Marianne Schinitger de 22 anos, uma sobrinha neta de seu pai. Após o casamento, Weber lecionou economia em Berlim, como substituto de um famoso professor. Era um homem obcecado pelo trabalho e pelos estudos, de forma tão exagerada, que adoeceu. Durante sua vida, teve depressão severa e sofreu quadros maníacos de trabalho intelectual.

Ele se esforçava muito para continuar trabalhando, mesmo quando estava de licença médica remunerada. Weber dizia que um homem só estava completo quando trabalhava, e além disso, não aceitava receber para não fazer nada.

Sempre foi um homem preocupado com a política e as questões públicas, e fazia análises sociológicas, econômicas e culturais sobre as sociedades da idade média. Max Weber criticava abertamente a política da Alemanha, principalmente sobre o posicionamento do país em relação à Primeira Grande Guerra.

Max Weber faleceu de pneumonia em 14 de junho de 1920, em Munique. Teve 15 obras publicadas, organizadas pela sua esposa após seu falecimento.

Obras de Max WeberLista de obras de Max Weber: resumo

As influências do campo de teologia, filosofia e economia são muito marcantes nas obras de Max Weber. Veja abaixo suas principais obras:

1889 – “A história das companhias comerciais na idade média” (Tese de doutorado escrita após analisar inúmeras referências italianas e espanholas. Estudou esses dois idiomas para esse fim).

1895 – “O Estado nacional e Política Econômica.”

1904 – A ética protestante e o espírito do capitalismo (Nesta obra, Max Weber analisa as relações da economia capitalista com a religião protestante. É a obra mais conhecida e mais lida do autor, e foi muito criticada pelos marxistas da época).

1917 – “A Ciência como vocação” (Nessa obra, Max Weber descreve a sua concepção de sociedade, de ações sociais e relações sociais, além da metodologia científica que adota para analisar esses fenômenos).

1919 – “A política como vocação”.

1920 – “Economia e sociedade” (obra póstuma publicada pela esposa de Weber, baseada nos escritos que ele fizera em 1910, que traz os fundamentos do método weberiano conhecido como Sociologia Compreensiva).

Principais ideias de Max Weber

Principais ideias de Max Weber

O objeto de estudo de Max Weber eram as ações sociais dos indivíduos, que eram motivadas pelas causas racionais, afetivas ou tradicionais (Veja abaixo o conceito de cada uma dessas causas). Essas ações sociais resultariam na relação social, caracterizada pela reciprocidade de ações, ou seja, quando as ações sociais se tornam recíprocas, nasce então a relação social.

A sociedade, para Weber, compreende diferentes esferas (econômica, política, religiosa, jurídica), cada uma com uma determinada lógica autônoma de funcionamento, cuja trama resulta das ações individuais.

O procedimento de Max Weber era histórico-comparativo, pois ele entendia que não era possível analisar a vida social com métodos naturais, contrariando claramente as ideias do sociólogo Émile Durkeim. Para Weber, a realidade é infinita, e a análise só pode ser realizada à partir de fragmentos, da particularidade de cada sociedade.

O objetivo seria compreender pela interpretação, e não apenas observar, a atividade social, para explicar suas causas, desenvolvimento e efeitos. As leis gerais são se aplicariam, pois a procura deveria ser pela compreensão da singularidade. Para isso, Max Weber indica que deve haver uma separação do juízo de valor, que é o que se escolhe analisar, e se torna o ponto de partida, do juízo de fato, que vai nortear a pesquisa e a análise de forma imparcial.

O principal instrumento metodológico de Max Weber era o tipo ideal, que consiste na abstração e combinação de elementos da realidade, destacando um ou vários pontos de vista, ordenando os fenômenos, que isolados de tornam dados, e com isso, formar um quadro homogêneo de pensamento. Esse se torna o modelo, o tipo ideal. Com esse método, é possível realizar comparações da realidade observada, através da proximidade entre ela e o tipo ideal.

Abaixo, alguns dos principais conceitos para Max Weber:

Poder – possibilidade de impor a própria vontade.

Dominação – exercício do poder, estabelecimento de subordinações.

Política – competição entre valores equivalentes.

Estado – Luta de indivíduos pelo poder, sem sentido predeterminado. Os tipos de estado se definem pelos meios de dominação que utilizam. É a única instituição que tem o monopólio da violência, pois a violência cometida pelo Estado é legítima.

Formas de dominação legítima (causas da ação social):

Racional – baseada no direito e na legislação (burocracia, Estado);

Tradicional – baseada no costume e na crença de um poder sagrado, como se ninguém pudesse se opor;

Afetiva – baseada no carisma do líder, ou seja, a forma de poder se torna quase irresistível.

Esses tipos de dominação são puros, mas, o que pode se observar na sociedade, é uma combinação das três, com predomínio de uma delas.

Aqui no Brasil, por exemplo, tivemos o exemplo de uma liderança racional e carismática, com o ex-presidente Lula. O carisma que era dedicado ao povo, fez com que sua liderança fosse quase irresistível, mas suportada pela dominação racional, das eleições.

Frases de Max Weber

Frases de Max Weber: Resumo

Em geral, para a Sociologia, conceitos como “Estado”, “associação”, “feudalismo” e outros semelhantes designam certas categorias de interação humana. Daí ser tarefa da Sociologia reduzir esses conceitos à ação “compreensível”, isto é, sem exceção, aos atos dos indivíduos participantes. (Economia e Sociedade)

Normalmente, a inspiração só ocorre após esforço profundo. (A ciência como vocação)

A ciência pressupõe, ainda, que o resultado a que o trabalho científico leva é importante em si, isto é, merece ser conhecido. (A ciência como vocação)

O político deve ter: paixão por sua causa; ética em sua responsabilidade; mesura em suas atuações. (A política como vocação).

Aproveite para conferir também nosso resumo sobre positivismo

COMPARTILHE

comentários

SEM COMENTÁRIOS