Nazismo – Resumo, Ideologia, Características

137
9295

Nazismo - Características, Ideologia e Totalitarismo

Com o fim da Primeira Guerra Mundial, uma grave crise econômica atingiu praticamente todos os países da Europa. Na Alemanha, uma série de medidas foram tomadas para conter a desvalorização da moeda nacional, e tentar diminuir as consequências da derrota na guerra.

Nesse contexto, surge o Partido Nacional-Socialista dos trabalhadores alemães, em 1920. Esse partido, conhecido como Nazi (do alemão Nationalsozialistische), ou Nazismo (no Brasil), adotou a famosa cruz suástica, que desde então, é reconhecida como o símbolo do nazismo, e se tornou o partido mais popular da Alemanha.

A Suástica

Nazismo – Totalitarismo, Ideologia, Características
A Suástica – Simbolo do Nazismo

A cruz Suástica, adotada pelo partido alemão, tem origem em períodos muito anteriores à Segunda Guerra. Historiadores afirmam que o primeiro registro da utilização do símbolo tem mais de 5 mil anos.

O significado da cruz depende da direção de seus braços. A que possui os braços que giram para o sentido horário, é um símbolo solar considerado um sinal de boa sorte. Já quando os braços da cruz giram para o sentido anti-horário, é um símbolo lunar que seria utilizado para fins obscuros.

A diferença da Suástica utilizada pelos nazistas é a inclinação. Os símbolos antigos sempre estavam em uma posição reta, mas os nazistas utilizaram a cruz numa inclinação de 45 graus, com os braços no sentido anti-horário.

Muito se discute sobre a utilização da cruz Suástica pelo nazismo, mas na  verdade, ninguém tem uma resposta concreta para os motivos que levaram o partido a adotar este símbolo.

Hitler e a ascensão do Nazismo

Adolf Hitler, nascido na Áustria, era um militar voluntário, que lutou pela Tríplice Aliança na Primeira Guerra Mundial. Após o fim da guerra, Hitler se interessa pelo partido Nacional-Socialista, filiando-se a ele em 1921. Com a sua popularidade e perfil de liderança, Hitler logo se torna o líder do partido.

As intenções de Hitler era de reerguer a sociedade alemã, que amargou uma grande derrota na Primeira Guerra, e passava por uma crise econômica sem precedentes, acompanhada de outros países europeus.

Em 1923, Hitler e outros líderes do partido articularam um golpe de estado. Historiadores afirmam que o golpe foi muito embaraçoso, o que se tornou uma vergonha para Hitler e os militantes do partido nazista.

Em 8 de novembro, Hitler invadiu uma cervejaria em munique, e exigiu que os dirigentes lhe entreguem o poder, com a resistência dos dirigentes, Hitler então decide invadir o Ministério da Guerra da Baviera.

Na tentativa de invasão, houve um confronto com policiais barravam o avanço dos nazistas. Quando se iniciaram os tiros, os nazistas dispersaram, seguindo o líder que foi o primeiro a fugir. Dois dias depois, Hitler foi capturado e preso.

Na prisão, o líder do partido Nazista escreve o livro Mein Kampf (Minha Luta), durante o ano de 1924.

Mein Kampf e a ideologia do Nazismo

Partido Nazista fundado por hitler
Foto de uma reunião do partido Nazista.

O livro escrito por Hitler na prisão teria passado por várias edições, antes de ser publicado, em 1925, pois foi escrito em uma linguagem oral, difícil de ser compreendida.

Mein Kampf se tornou um guia ideológico do nazismo e de ação para os membros do partido Nazista. Nele, Hitler expressou todas as suas ideias sobre os judeus, as raças humanas e o conceito político do Nacional-Socialismo, que é muito diferente do socialismo defendido por Karl Marx.

Em relação aos judeus, Hitler declarou todo o seu ódio e repúdio à população judaica que vivia em terras alemãs, chamando-os de conspiradores que desejavam o controle da Alemanha.

Hitler também acreditada que a raça ariana era superior a todas as outras, e os homens e mulheres deveriam lutar pela pureza dessa raça. Obviamente, com a forte presença de judeus, essa pureza poderia estar em risco, e por isso, essas raças inferiores deveriam ser eliminadas.

O judeus não foram os únicos perseguidos pelo Nazismo. Para manter a pureza da raça ariana, os negros, poloneses, homossexuais, comunistas, ciganos, deficientes físicos e mentais também deveriam ser eliminados, só assim, a raça atingiria a perfeição.

A religião também foi uma das áreas afetadas pelas ideologias do nazismo. Não poderiam ser aceitos cultos religiosos que não fosse o catolicismo. Ateus, protestantes e praticantes de cultos africanos ou orientais, foram combatidos com o mesmo ódio que Hitler dispensou aos judeus.

A política talvez seja o ponto mais importante do livro. Hitler expõe como a Alemanha precisava de uma reestruturação completa, com a criação de um novo Estado perfeito, e com um novo líder, que seria o próprio Hitler. Faz uma intensa crítica ao Tratado de Versalhes e suas cláusulas de rendição para a Alemanha, o que trouxe diversas consequências após do fim da Primeira Guerra.

A forma atraente como foi escrito fez do Mein Kampf o livro mais vendido da alemanha. Foi impressionante como as ideias antissemitas e racialistas de Hitler conseguiram atingir toda a população, fazendo com que ele recebesse o apoio e admiração de praticamente todo o país.

A população desejava um líder como ele, que pudesse reerguer a nação alemã, e apagar a humilhação da derrota na Segunda Guerra Mundial.

A subida ao poder de Hitler e do Nazismo

Características do Nazismo

Hitler sai da prisão em 1925, e já planeja reestruturar o Partido Nacional-Socialista. Em 1926, começa a fazer comícios e desfiles. Em 1928, o partido já conta com mais de 400 mil membros.

No ano de 1929, uma grande recessão dos Estados Unidos, evento conhecido como o “crack” da bolsa de Nova Iorque, despertou o temor da sociedade alemã em relação à economia. Isso fez com que as ideologias nacionalistas nazistas se tornassem cada vez mais populares. Em 1930, o partido tinha cerca de 1,5 milhão de militantes.

Com a popularidade em pleno crescimento, logo o partido tomou força no cenário político, e em 1933, Hitler sobe ao poder como Chanceler, o cargo abaixo do presidente no governo Alemão. Durante quase dois anos, Hitler comete uma série de golpes e ilegalidades, dando início à ditadura alemã.

Após a morte do presidente, em 1934, Hitler acumula os cargos de Chanceler e Presidente. Ele substitui a bandeira alemã pela bandeira do partido Nazista, convoca novas eleições para o parlamento, acaba com os partidos políticos e prende os opositores.

Nas eleições, Hitler ganha com maioria absoluta, e o parlamento, agora completamente Nazista, obedece às ordens do presidente. O programa Nazista é aos poucos, colocado em prática.

As prioridades de Hitler era a indústria bélica, pois sua intenção era de invadir novos territórios. O trabalho militar se torna obrigatório, e todo o país é preparado para uma segunda guerra mundial.

Até 1939, Hitler toma a Áustria e a Tchecolosváquia, assina um pacto com o Japão para conter o avanço da União Soviética e do comunismo, faz acordos com Mussolini, líder facista italiano, para proclamar o eixo Roma-Berlim e invade a Polônia.

Com a invasão da Polônia, França e Inglaterra declaram guerra contra a Alemanha. Nesse ponto, a sociedade alemã já passava por forte repressão, mas mesmo assim, ainda dava apoio a Hitler. Os judeus, negros, opositores e todos aqueles que não faziam parte da raça ariana, eram enviados a campos de concentração para trabalho forçado.

Características da ideologia do Nazismo

A principais características do governo alemão de Hitler eram:

  • Totalitarismo – todas as decisões são tomas pelo líder eleito. O regime totalitário para Hitler se resumia a um povo – o Volk, a um Império – o Reich, e a um líder – o Führer;
  • Antiliberalismo – censura por parte do governo, regulamentação da economia pelo estado, limitação da liberdade individual, destruição de formar culturais não permitidas, etc;
  • Militarismo – serviço militar obrigatório, preparação militar do país para a Segunda Guerra Mundial e forte desenvolvimento bélico;
  • Anticomunismo – perseguição aos comunistas e opositores;
  • Nacionalismo – desenvolvimento voltado principalmente para a economia nacional, sem capital estrangeiro. Propaganda e doutrinação patriótica.

Os campos de concentração do Nazismo

Campos de Concentração do Nazismo

Os campos de concentração eram uma espécie de centros de detenção, para onde eram enviados os judeus, opositores, negros, comunistas, ciganos, homossexuais, deficientes, protestantes e poloneses.

Nesses campos, os prisioneiros eram submetidos a trabalho forçado, e por isso, muitos morriam por exaustão, maus tratos e desnutrição. Outros presos eram enviados a laboratórios, e se tornavam cobaias dos experimentos científicos mais assustadores que se pudesse ter conhecimento.

Após a invasão da Polônia, foram criados campos de extermínio para exterminar a população judaica, maioria naquele país. As mortes eram cometidas por fuzilamento, ou em câmaras de gás. Sabe-se que muitos presos que eram enviados ao fuzilamento, não eram atingidos com tiros fatais, e permaneciam horas, ou até dias, agonizando até a morte. Alguns poucos conseguiam sobreviver e fugir, mas logo eram capturados novamente.

A quantidade de mortes é muito controversa, mas a maioria dos historiadores afirmam que cerca de 10 milhões de pessoas morreram, no que ficou chamado de holocausto. Entre esses 10 milhões, cerca de 70% era de judeus e 1.5 milhão eram ciganos. O restante compreenderia os outros presos.

O declínio do Nazismo e a morte de Hitler

Atentado contra Hitler - Nazismo

Em praticamente toda a Europa, os ideiais nazistas de Hitler eram respeitados. O líder alemão conseguiu o apoio de vário países, o que permitiu, além do aumento do poder bélico e político da Alemanha, uma relativa estabilidade econômica. Isso agradava tanto aos aliados, que se sentiam protegidos, quanto à população, que podia perceber o avanço na economia.

O início da Segunda Guerra Mundial é marcada pela invasão da Polônia pela Alemanha, e a declaração de guerra da Inglaterra e França contra os nazistas, em 1939. Dois grupos de países se formaram, o Eixo, integrado principalmente pela Alemanha, Itália e Japão, e os Aliados, integrado pela Inglaterra e França.

Os Estados-Unidos decidiram pela neutralidade, no entanto, em 1941, a base norte-americana de Pearl Harbor foi atacada pelo Japão, o que motivou, entre outras coisas, o ingresso dos Estados-Unidos na Segunda Guerra, integrando o grupo dos Aliados. Esse fato foi determinante para a derrota do Eixo e a queda de Hitler.

Em 1944, a Alemanha se via diante de uma nova, e mais vergonhosa, derrota em uma guerra mundial. Percebendo a condição irreversível da derrota, Hitler se refugiou em um bunker, em dezembro de 1944, permanecendo lá por mais de 4 meses. Apesar disso, Hitler ainda desviava esforços para tentar conter a derrota, mas o país continuava a ser bombardeado.

No dia 30 de abril de 1945, Hitler, desolado com sua derrota, atira na própria cabeça. Junto com ele, sua esposa Eva Braun toma cianureto, um poderoso veneno, e morre ao lado do marido. O então chanceler alemão, Joseph Goebbeles, também cometeu suicídio no mesmo dia.

Com a morte de Hitler e o poderoso armamento americano, a Segunda Guerra Mundial tem o seu fim com a derrota do império Alemão. O marco final da Guerra foi o bombardeio nuclear de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, que era aliado da Alemanha.

COMPARTILHE