alunos-fazendo-enem

Como estudar para o ENEM e Vestibular

Estudar para o Enem, vestibular ou outro teste importante é inegavelmente cansativo. São livros e mais livros, matérias, apostilas, exercícios e aulas que consomem toda a paciência do estudante. No entanto, é um mal necessário. O esforço geralmente é compensado com a bonificação da vaga desejada ou de uma nota satisfatória.

Para aliviar um pouco esse estresse dos estudos pesados, trouxemos dicas de materiais e sites que, além de descontrair e divertir o aluno, trazem informações sobre conteúdos das matérias que ele precisará saber para ir bem nessas provas. Porém, de um jeito interativo e menos cansativo. Sem perceber, o estudante adquire os conhecimentos necessários de forma natural. Além disso, alguns desses sites contém conteúdos e aulas exclusivas para o Enem, acompanhamento de professores e correções de exercícios e redações. Conheça um pouco sobre eles:

Constitute Project- Indicado, principalmente, para colher informações de geografia, história e sociologia, o portal reúne constituições de 189 países, todas traduzidas para o inglês. E mais, ele permite que o internauta procure passagens nos documentos de acordo com tópicos específicos. Exemplo: se quiser saber como funcionam as leis eleitorais de um determinado país, basta pesquisar que uma ferramenta do site busca e mostra para você.

Estudar para o Enem

ZygoteBody – O site tem um princípio bastante simples. Ao entrar nele, você pode escolher entre o corpo de um homem e uma mulher. Após a escolha, com apenas alguns cliques, você poderá organizar, conhecer e ver de perto como funcionam seus músculos, órgãos internos, pele, ossos, aparelho circulatório e muito mais. As imagens são todas em 3D e, por isso, é possível ver o corpo de todos os ângulos, basta seguir a navegação ao lado esquerdo da tela. O portal é uma excelente fonte de estudos de biologia para o vestibular.
Biologia

Descomplica - Já mais conhecido na internet, o site reúne vídeo-aulas expositivas para o Enem, que podem ser assistidas a qualquer hora do dia. O mais interessante, porém, é poder receber a sua redação corrigida e comentada, tudo sem sair de casa. O site é uma boa dica para quem precisa treinar o português e melhorar a redação. Através dele você também pode interagir com professores de diversas matérias.
Estudar para o vestibular
Casa de Curioso - Quer aprender de forma divertida diversas fórmulas e experimentos de física, química ou biologia? Nesse portal você tem acesso à experiências feitas por cientistas, alunos e professores que participam do Programa Ciência Hoje de Apoio à Educação. Os experimentos são apresentados em vídeos, ilustrações animadas, animações e até fotonovelas.

Leia Mais

Resumo de O Cortiço

Resumo de O Cortiço

Resumo de O Cortiço

O Cortiço é um livro que foi escrito no ano de 1890, por Aluísio de Azevedo. Na época do seu lançamento, chegou a ofuscar livros de autores como Machado de Assis, devido a pertencer a escola naturalista, de grande prestígio na Europa.

A obra O Cortiço é narrada em terceira pessoa, com o narrador onisciente, ou seja, que tem conhecimento de todos os acontecimentos. O narrador tem total poder na estrutura da história e aparentemente parece ser imparcial, mas na realidade ele entra diretamente em diversos pontos da narrativa.

O tempo é trabalhado de modo linear, com início, desenvolvimento e final da narrativa. A história se passa no Brasil, durante o século XIX, sem data precisas. Há dois ambientes que são explorados no livro: o cortiço e o sobrado do comerciante Miranda e sua família, que fica ao lado do cortiço.

O Cortiço conta a história do caminho que João Romão percorre para ficar rico. Para conseguir atingir esse objetivo, ele, que é o dono do cortiço, explora os seus empregados e até comete furtos. A sua amante, Bertoleza, trabalha continuamente, sem folgas ou descansos.

Ao lado do cortiço mora Miranda, um comerciante bem sucedido, que entra em disputa com João Romão por uma braça de terra que quer comprar para aumentar o seu quintal. Como eles não entram em acordo, eles rompem relações. Movido por uma extrema inveja de Miranda, João passa a trabalhar arduamente para conseguir ficar mais rico do que o seu rival. Quando Miranda recebe o título de barão, aos poucos João percebe que não basta apenas ganhar dinheiro, mas também participar ativamente da vida burguesa, como ler livros e ir ao teatro, por exemplo.

O relacionamento entre Miranda e João Romão melhora quando João passa a tentar imitar as conquistas do rival, tanto que o cortiço passa a ser um lugar mais organizado e agradável e passa a se chamar Vila João Romão. João começa uma amizade com Miranda e pede a mão de sua filha em casamento, mas tem Bertoleza atrapalhando os seus planos.

Dessa forma, João a denuncia como escrava fugida, e em um ato de desespero, ela acaba cometendo o suicídio. Assim, ele fica livre para se casar e se encerra O Cortiço.

Leia Mais

Resumo Memórias Póstumas de Brás Cubas

Resumo Memórias Póstumas de Brás Cubas

Resumo Memórias Póstumas de Brás Cubas

O livro Memórias Póstumas de Brás Cubas foi publicado no ano de 1881 e foi escrito por Machado de Assis. Ele conta as experiências de Brás Cubas, uma pessoa que faz parte da elite brasileira do século XIX. O narrador é em primeira pessoa e ele mesmo se autointitula um defunto autor, que é uma pessoa que já morreu e volta para contar as suas memórias. Dessa forma, o narrador conta os fatos da maneira que lhe convém.

A obra é embasada em dois tempos, o psicológico (em que o autor conta fatos sem seguir uma ordem linear) e o cronológico (onde os acontecimentos obedecem a uma ordem lógica: como a infância, adolescência, etc.). Por isso, a verossimilhança é quebrada, já que aqui não existe a linearidade, como os leitores da época estavam acostumados.

A infância de Brás Cubas foi bastante privilegiada e é marcada por caprichos que os pais proporcionam. Na juventude, ele cai nas graças de Marcela, uma prostituta de luxo. Como ele se apaixonou por ela, gastou bastante dinheiro para agradá-la. Quando o seu pai descobriu, fez o que muitos pais faziam na época no momento em que os seus filhos davam algum problema: o enviou para fazer faculdade de Direito em Portugal, na cidade de Coimbra.

Ele vai contrariado para a faculdade, e Marcela não vai se despedir dele, como tinha sido combinado. Depois de formado, ele retorna ao Brasil e segue com a sua vida de privilégios. Depois, Brás Cubas se interessa por Virgília, e é incentivado a apostar nesse romance pelo seu pai, pois como ela é filha de um ministro, vê esse casamento com bons olhos.

Mas ela acaba se casando com Lobo Neves, e acaba levando também a candidatura para deputado em que Brás Cubas estava interessado. De um modo geral, o romance Memórias Póstumas de Brás Cubas não apresenta grandes feitos e a obra termina com um capítulo dedicado apenas as negativas.

Brás Cubas não se casa, não consegue concluir o emplasto (que é um medicamento que ele havia imaginado para conquistar a glória perante a sociedade) e não tem filhos. É este o resumo do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Leia Mais

Mitocôndrias - características, funções

Mitocôndrias – características, funções

Mitocôndrias - características, funções

A mitocôndria é um dos elementos mais estudados na Biologia por se tratar de uma das organelas celulares mais importantes que se tem conhecimento.

A função da mitocôndria dentro de uma célula é fundamental e diz respeito à respiração da mesma. Todo procedimento de respiração, em qualquer organismo, trata-se basicamente da energia, ou seja, a respiração fornece energia para os organismos sobreviverem e a mitocôndria é responsável por todo o procedimento de respiração.

Elas são abastecidas por algumas substâncias orgânicas que são utilizadas no processo de geração de energia da célula, como a glicose, que é convertida em energia sobre a forma de ATP.

Esta organela pode ser encontrada em abundância em células que estão presentes no sistema nervoso, principalmente nas extremidades dos axônios, do coração e também de todo o sistema muscular. Isso acontece porque são estas partes do corpo que precisam de mais energia. Ou seja, os músculos permitem toda a movimentação do corpo humano, e por isso mesmo precisa de mais energia.

O coração também precisa de muita energia, já que necessita estar sempre pulsando para bombear o sangue para todo o corpo da pessoa, e por isso uma ação mais efetiva das mitocôndrias são importantes.

A estrutura da mitocôndria é formada pelos seguintes elementos: membrana exterior mitoncondrial; espaço intermembranar (o espaço entre as membranas exteriores e interiores); a membrana mitoncdrial interna; o espaço de cristas (formado por invaginações da membrana interna) e também pela matriz (espaço dentro da membrana interna).

Segundo os estudos que dão conta da origem das mitocôndrias, foram encontradas muitas características semelhantes entre elas e as procariontes, portanto,  muitos cientistas acreditam que elas originalmente se derivem das procariotas endossimbióticas.

Outra informação pertinente é que a estrutura circular também é encontrada em procariotas, e a semelhança é estendida pelo fato do ADN mitocondrial ser organizada com um código genético variante semelhante ao de proteobacterias. Isto sugere que seu ancestral, a chamado proto-mitocôndria, era um membro das proteobacterias.

A mitocôndria é responsável pelo ciclo de Krebs, que é uma rota anfibólica, catabólica e anabólica , com a finalidade de oxidar a acetil-CoA (acetil coenzima A), que se obtém da degradação de carboidratos, ácidos graxos e aminoácidos a duas moléculas de CO2.

Leia Mais

Modernismo no Brasil

Modernismo no Brasil

Modernismo no Brasil

O Modernismo Brasileiro foi um movimento cultural que ocorreu, para muitos, tardiamente nos anos 20, unindo influências de acontecimentos prévios a Primeira Guerra Mundial na Europa, como o Cubismo, o Futurismo italiano, o Dadaísmo, o Surrealismo e o Expressionismo alemão.

Como marco inicial no Brasil, identifica-se a Semana de Arte Moderna, de 1922. Idealizada pelo pintor Di Cavalcanti, iniciou-se com a Conferência “A emoção estética da arte moderna”, de Graça Aranha. O que se seguiu com a leitura de diversos trabalhos de poetas e outras manifestações artísticas.

A SAM desencadeou movimentos culturais como o Manifesto Pau-Brasil, o Antropofágico, Verde-Amarelo e o Anta.

Nesta primeira fase destacam-se algumas obras e artistas:

  • Manuel Bandeira (poeta): Carnaval (1919), Ritmo dissoluto (1924) e, em 1930, Libertinagem.
  • Oswald de Andrade: Memórias sentimentais de João Miramar, ficção (1924), Pau-Brasil, poesia (1924), e Serafim Ponte Grande, ficção (1928 a 1933).
  • Mário de Andrade: Pauliceia desvairada, poesia (1922), Clã do Jabuti, poesia (1927), A Escrava que não é Isaura, ensaios (1925) e Macunaíma, romance (1928).

Geração dos anos 30

Conhecida como a segunda geração do Modernismo do Brasil, os anos 30 tem como característica principal, a consolidação da literatura brasileira. Com Machado de Assis, ela entra na fase adulta, e tem na Revolução de 30 um marco divisório.

As obras e artistas que se destacam nesta fase são:

  • Carlos Drummond de Andrade (Alguma poesia),
  • Murilo Mendes (Poemas e História do Brasil),
  • Cecília Meirelles (Viagem),
  • Vinicius de Moraes (O caminho para a distância, Forme e exegese, Ariana, a mulher),
  • Jorge de Lima (Novos poemas).
  • Além desses, vale destacar Augusto Frederico Schmidt e Mário Quintana.
  • José Américo de Almeida (A Bagaceira),
  • Graciliano Ramos (Caetés, São Bernardo, Angústia, Vidas Secas),
  • José Lins do Rego (Menino de Engenho, Doidinho, Banguê, Usina, Fogo Morto),
  • Érico Veríssimo (Clarissa, Música ao longe, Um lugar ao sol, O tempo e o vento),
  • Rachel de Queiróz (O Quinze),
  • Ciro dos Anjos (O Amanuense Belmiro, Abdias)
  • Jorge Amado (O país do Carnaval, Cacau, Suor, Jubiabá, Mar Morto e Capitães da Areia).

Geração de 45

Com o fim da Ditadura Vargas inicia-se também a terceira fase do Modernismo Brasileiro, que seria destacado principalmente pela maturidade da dramaturgia, graças a presença do Teatro de Nelson Rodrigues.

  • João Guimarães Rosa (ficção): Sagarana (contos, 1946) e Grande Sertão: Veredas (romance, 1956).
  • Clarice Lispector (ficção): Perto do coração selvagem (romance, 1943) e Laços de família (contos, 1960).
  • João Cabral de Melo Neto (poesia e teatro): Pedra de sono (1942), O engenheiro (1945) e Morte e vida Severina (teatro, 1956).
  • Nelson Rodrigues (teatro): Vestido de Noiva (1943), Anjo Negro (1947) e Boca de Ouro (1959).

 Agora você já sabe tudo sobre o Modernismo no Brasil e poderá arrasar nas provas.

Leia Mais